Pioneira no enoturismo em Portugal, a Herdade do Esporão convida a “Viver o Território” e conhecer de perto a produção de vinho e azeite numa experiência bem alentejana!

 

Para quem conhece os vinhos portugueses, a Herdade do Esporão dispensa apresentação. É dos mais antigos e maiores produtores de vinho do Alentejo, com a primeira colheita apresentada em 1985.

Foi também pioneiro na área do enoturismo em Portugal! Em 1997 o Esporão abriu as portas aos visitantes que quisessem conhecer melhor a origem dos seus vinhos e azeites. Continuamente moderniza os espaços, actualiza as actividades e se mantém sempre dinâmico.

Motivada pela mais recente proposta da Herdade do Esporão “Viver o Território”, fui passar um dia inteiro na herdade em Reguengos e garanto que um dia não foi suficiente para explorar tudo!

 

10h00

Chegada à recepção, uma mini-van levou-nos a passear pela herdade até à vinha para conhecer melhor a origem de tudo! Em Setembro, a actividade sugerida foi participar na vindima por isso contribui para a colheita de uvas Tannat – variedade mais conhecida no Uruguai que se adaptou muito bem ao clima do Alentejo.

   

A Herdade do Esporão aventurou-se na agricultura biológica há mais de 10 anos com o objectivo de tornar a produção de vinhos mais sustentável, amiga do ambiente e fiel às origens.

Hoje, dos 600 hectares de vinha, o Esporão já tem 150 hectares certificados com produção biológica e os restantes estão em processo de conversão.

Além das actividades de vindima, a herdade também organiza outros programas de enoturismo ao ar livre como passeios de charrete pela herdade e centro histórico, passeios de bicicleta, piquenique na herdade, entre muitos outros.

 

12h00

Regresso ao edifício principal para visitar as adegas da Herdade dos Esporão: Adega Monte Velho, Adega de Lagares e Adega de Barricas. Todas elas renovadas ou construídas recentemente, onde nitidamente se vê a intenção de harmonia arquitectónica e consistência de estilo entre espaços.

A Adega Monte Velho é uma adega moderna, espaçosa e exclusivamente dedicada à transformação das uvas no vinho de gama de entrada do Esporão.

A Adega de Lagares é uma adega especial! Desde o material utilizado para a sua construção – feito de Taipa, uma técnica que tem por base matéria orgânica, pedras e terra provenientes dos 7 diferentes solos da herdade, comprimidas e transformadas em paredes – até aos tectos forrados de aduelas de barricas dando movimento e estética ao edifício e inspirando os enólogos a produzir excelente néctares.

Dentro, os grandes lagares de mármore e as talhas de barro remetem-nos a técnicas de vinificação milenares, cheias de sabedoria e que devem ser preservadas.

Segui depois em direcção à adega de barricas subterrânea. Com o calor alentejano a sentir-se lá fora, este era de facto o melhor lugar para estar! Desenhada à imagem das plataformas do metro de Lisboa, a adega guarda nos seus longos corredores, centenas de barricas de carvalho onde estagiam grande parte dos vinhos.

No centro da adega fui encontrar uma mesa futurista! Foi criada pela SKREI – equipa de arquitectos que também idealizou a Adega de Lagares – e segue a mesma linha estética e de materiais. As centenas de aduelas de barricas com diferentes tostas, atribuem a esta mesa redonda diferentes tons de madeira e mais uma vez, movimento e dinâmica.

E para perceber melhor isto da “tosta”, tive a oportunidade de cheirar aparas de madeira com diferentes intensidades de queima e perceber a influência que a madeira do carvalho tem no aroma e sabor do vinho.

 

13h30

Voltei à superfície e no wine bar, esperava-me uma prova dos vinhos biológicos Colheita. Desde que decidiram abraçar a agricultura biológica, foram muitos os desafios que enfrentarem, mas finalmente em 2015 saíram as primeiras colheitas.

Provei Esporão Colheita Tinto 2016, um blend de Cabernet Sauvignon e Touriga Franca que lhe atribui aromas de ameixa e mirtilo combinados com algumas notas vegetais. Na boca sente-se bem o corpo da Touriga Franca e estrutura e acidez da Cabernet Sauvignon.

Já o Esporão Colheita Branco 2017, é totalmente feito a partir de Antão Vaz, conhecido pelo seu paladar cítrico ao inicio mas com notas de fruta branca já madura. São vinhos cremosos e envolventes, de final intenso e muito persistente.

14h00

No restaurante da adega encontrei um menu muito variado em que todos os pratos são confeccionados com produtos biológicos, produção nacional e no caso de ervas e legumes, produção da própria herdade! O Chef Carlos Teixeira recentemente mudou-se de Lisboa para o Esporão para acrescentar um cunho pessoal ao excelente trabalho feito pelos seus antecessores. Carlos assenta a sua cozinha em 3 princípios essenciais: biológico, nacional e zero desperdício.

Deixei-me totalmente nas suas mãos e as iguarias foram chegando à minha mesa, acompanhadas com vinhos cuidadosamente escolhidos para cada sabor. As imagens falam por si!

Salada de 5 tomates, granizado de lúcia-lima, azeite balsâmico, cebolinho e pinhão

 

Carapau fumado, pepino, puré de açafrão

 

Plumas de porco preto, azedas, ameixa assada, abrunhos, sementes de mostarda com Esporão Reserva 2009

     

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Melão biológico e flor de sabugueiro com Late Harvest 2017

 

 

 

 

Quando o café chegou, acompanhado por um prato de petit fours, não resisti e fui para o alpendre frente ao restaurante.

Com mesas de madeira debaixo de sombra e uma imensa vista para a vinha, olival e barragem da Caridade, neste cenário os sons da natureza impõem-se explicando na perfeição o lema “Viver o Território” do Esporão.

 

16h00

Sendo o azeite um dos produtos mais importantes na gastronomia e economia portuguesa – e que cerca de 70% deste provém do Alentejo – fui até ao lagar fazer uma visita.

Ana Carrilho é a oleóloga do Esporão e com o maior entusiasmo, sabedoria e paciência explicou-me passo por passo todo o processo desde que as azeitonas chegam ao lagar até que se transformam em azeite.

Também aqui se fazem degustações, numa sala cheia de luz e numa mesa preparada para a prova de azeite, onde ficamos a conhecer todos os segredos deste nosso “ouro líquido”

 

 

17h00

O dia já ia longo, mas ainda passei pela loja da herdade onde todos os vinhos da marca – desde Alentejo ao Douro – aguardente, azeites e artesanato regional estão disponíveis para levar para casa.

Fiz-me à estrada de volta a Lisboa mas antes de sair da herdade, parei uma última vez.

Subi ao Torreão branco, tão presente nas garrafas de vinho, e que desde 1267 observa lá do alto, pôr-do-sol após pôr-do-sol, a criação, o crescimento e o sucesso da Herdade do Esporão!

1 reply

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *