vinhas velhas
5 Minutos de Vinho
5 Minutos de Vinho
EP9 - VINHAS VELHAS
/

Vinhas velhas… um termo pouco consensual, mas cada vez mais usado em Portugal. No episódio de hoje vou tentar esclarecer um pouco sobre Vinhas Velhas

VINHO QUE ACOMPANHA O EPISÓDIO: Quinta da Pacheca Grande Reserva Touriga Francesa – Quinta da Pacheca, Douro

Existe de facto alguma confusão e dúvidas quanto ao termo “vinha velhas”. A sua definição não é consensual e existem algumas variantes, pois depende muito da história vínica de uma região, ou seja, da sua tradição na produção de vinho, seja em Portugal e no resto do mundo.

No nosso país, Vinha Velha é geralmente uma vinha com mais de 30 anos de idade, embora haja produtores que só atribuam este conceito a vinhas com mais de 40 anos e em alguns países da Europa, só com mais de 50 anos. Como vêm, não é de todo um conceito muito claro.

Por esta razão, para além da idade, há outras características que podem ajudar definir uma vinha velha: a densidade de plantação – que normalmente é maior que as vinhas actuais ou seja, mais plantas por hectare – e não tem aramação moderna (aramação é a estrutura de postes e arames que suportam a vinha).  Muitas vinhas velhas não têm qualquer aramação sequer.

Além da densidade há também a curiosidade de muitas vezes nem se conhecerem as castas plantadas. É uma indefinição (e variedade enorme) de castas, em que não é assim tão incomum encontrar uva branca mistura da com a tinta pois o conhecimento de castas não era o mesmo que nos dias de hoje e, portanto, o que se plantava era simplesmente vinha, nada de separação por castas.

Há, assim, regiões onde predominam as vinhas velhas e essas seriam certamente nas regiões onde tradicionalmente em Portugal se produz vinho há mais tempo como é o caso do Douro, Dão, Bairrada e até na região de Lisboa, nomeadamente em Colares (e sobre Colares as suas vinhas, hei-de falar melhor noutro episódio)

Quanto aos vinhos produzidos de vinhas velhas, não significa que sejam vinhos velhos! Enquanto a vinha produzir uva, pode originar vinhos fantásticos, tantos anos quanto a vinha durar!

No entanto, quanto mais velha a vinha, menos quantidade de uva produz, mas maior qualidade tem cada cacho. Inclusivamente os bagos são mais pequenos, a relação polpa e pelicula é menor, logo os vinhos têm mais concentração de sabor. E por essa razão os vinhos de vinhas velhas são melhores e também mais caros!

E tudo isto que eu aqui disse refere-se essencialmente a vinhas tintas porque Portugal tem maior e mais longa tradição de produção de vinho tinto e muito maior área plantada de uvas tintas, o que não quer dizer que actualmente não existam já também algumas vinhas velhas branca, por isso começam a surgir vinhos brancos no mercado de vinhas velhas!

E agora já sabem, quando forem a uma loja comprar vinho e virem garrafas de vinhas velhas, têm ali um pequeno tesouro!

Um brinde a todos e até ao próximo episódio!